quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

AMAR À MODA DE 2012



AMOR deste século vem-se inovando de conceito,
Mudando sua essência sem paciência com o preceito,
Armadilhando-se no sexo, abundado na exiguidade afetiva,
Relações sem carinho congelando-se em condição aflitiva!

Ano passa, arrastando novos paradigmas de amar!
Mais se pulula no imediatismo libidinoso, que um amar
Ordenado por sentimentos sinceros de querer estimar,
Dar amparo e companheirismo, conferindo sentido à vida
Ausente de pressão angustiante e afronta promovida.

Deixem-me ficar o amor de 2011 se 2012 não acrescenta
Estes ingredientes de amor, carinho e amizade que basta:

2 dezenas de abraços envolventes, durante o dia solar;
0 situações aflitivas e zero afrontas por ciúmes no meu lar;
1 beijão carinhoso e desejado no abraço envolvente;
2 reforços diários ao meu valor e razão de estar vivente!

Amália Faustino Mendes, 28 de Dezembro de 2011

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Se é bom, não finja


Se é bom, não finja


Qualquer indivíduo é bom por natureza,
Mas a maldade pode destronar a bondade,
À medida que é invadida pela impureza
Da competição pela vida na imoralidade.


A impureza da competição pela vida imoral
Possui, na inserção, uma força descomunal
Para infetar, contagiar, disseminar a dominar
Os arautos da libertinagem, sem os iluminar.

Quem é bom por natureza, não deve coibir 
Seu lado bom, mas deixar-se ver e exibir
A moralidade de sua alma, e o mal a eximir,
Mesmo em caso de necessidade de reprimir.


Quem repele o bem e atrai o mal, às vezes,
Numa subtil omissão ou ostentação de poses,
Distrai-se ante tais subtilezas de omissão,
Ocultando o bem no mal, em subtil missão.

A razão absorvedora pode-lhe fazer refém
Da ignorância de sentir todo o mal por bem,
E ainda adoptar atitudes de arrogância
De contornos perspicazes de ganância.

O interesse pelo benefício ao próximo
É essencial à felicidade da alma que cura,
Aspergindo sucessos de acção, ao máximo,
Gozando o triunfo onde o mal não se atura.

Ser bom torna feliz quem o for, sem remorso,
Ser bom é inerente ao detentor, sem postiço;
Sendo melhor ser bom do que mau, seja bom
Sem fingir e deixa-se sê-lo, conforme seu dom.

Amália Faustino, 4 de Janeiro de 2012