sábado, 25 de fevereiro de 2012

Sempre te quis


Se voltares a perguntar-me
Já tenho a resposta  do exame,
Eu confesso que te queria ler
E tuas palavras atraentes reler.

Se antes não te respondia
É porque algo me impedia
De sempre te querer ter
E acontecer, mas sem poder.

Ganhei a coragem agora
E prefiro ouvir-te, por ora,
E tomara que te aproximes
Para eu sentir que me ames.

Está aberto o teu caminho,
Vem e traz-me teu carinho
De que sempre fui carente,
Fugindo disso ser crente!

Eu fingia a verdade do papel,
Esvaindo sonhos em batel
 Esquecidos na minha condição
De caçada, sem isca, nem atração.

Amalia Faustino, 23 de Janeiro de 2012

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Passarinha endémica


Nôs língua

Versão em crioulo
Ô nha genti, nu papia,
sem kanhenhe ês nôs língua
 
Nu dexa-l sai frupo tudu dia,
  
E salta setena sen morri míngua!

Nu fla ma língua adoptado bale
Ma krioulu di nos mai bale;
Si
nu meste tudu dôs pamodi bale,
Pa fla ma un ka bale?

Si nenhum
dês ka bale más ki otu,
Nton ninhum dês ka superior
Y
ninhum també ka inferior,
Si nu
nxina un, nu nxina kelotu!!!

Nu ta
le, pa lebás pa bom portu,
Si nu
konxe ses frontera
Ninhun dês ka ta confundi ku otu
Pa nós bem, ês dos meste fika na bera.


Amália Faustino, 21 de Fevereiro de 2012 - dia da Língua Materna


 Em português

Ó minha gente, falemos
Sem complexos, esta nossa língua
Como nos surpreende no dia a dia,
Forte que não morre à míngua!
Língua adoptada vale,
Língua criada por nossa mãe vale;
Se para nós tudo vale
Para que dizer que não vale?
Se nenhuma vale mais que a outra,
Então, nenhuma delas é superior
E nenhuma também é inferior
Se ensinarmos uma e outra!!!
Lemos e levamo-las para um bom porto
Se conhecermos cada fronteira
Dos idiomas, e não se confundem à beira
 A bem nosso, os dois precisam ficar por perto!
 
Amália Faustino, 21 de Fevereiro de 2012 - dia da Língua Materna
 

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Nós lingua


Ô nha genti, nu papia
Nu papia nôs língua
Na língua di dia dia
P'el ka morri míngua!

Língua adoptado bale
Lingua di nos mai bale
Nton si tudu bale
Pa kê fla ma ka bale.

Si nenhum ka bale más ki otu
Nton ninhum dês ka superior,
Ma ninhum també ka inferior
Nu nxina un, nu nxina kelotu!!!

Nu ta lebás pa bom portu
Si nu konxe ses frontera
Ki un ka ta confundi ku otu
Mesmu tudo dos fika na bera.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Cardo Santo














Vi-te a distância de um fôlego,
Tua beleza encantou meu ego
Despertando-me a tentação
De apreciar tua cauterização.

À moda de um cabo-verdiano,
Olhei com olhos que vêem à mão,
Segurando, a verificar teu tino,
Pressenti tremor de antemão.

Então algo mudou em mim
Decidi examinar se és jasmim
Ou rosa para o meu jardim
Ou cardo santo do meu jardim.


Exame de pouca duração
Ergueu espinhos, em função
Da tua tentação em relevo
Meu cérebro sentiu enlevo.

Não pude evitar-te de um beijão
Numa perfeita mescla sem vão
De cores que matizam espinhos
Em suaves dores sem lanhos.

Amália Faustino, 14 de Fevereiro de 2012