quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Versos ao acaso

VERSOS AO ACASO

Oh, gente que feliz ver minha gata!
Oi coisa amorosa, boa noite!
Gente, animal, beijinhos doces
Para uma menina na sua madrugada.
Ora veja isto de gente a coisa, gente!
Não é ofensa uma evolução descendente?!
Mas não importa, a quem não quer saber!
É o que está que sai da alma
Talvez esteja com sono, cai ou vai...
Mas olhando para isto Gente, gata, coisa amorosa
Numa evolução descendente
E sem intenção ofensiva,
Importando com o que sai da alma
Que decorre enquanto se revê,
Dito isto, isso ou aquilo, fica feito
Sem reparo e sem amparo
Porque vai e só bem vem se rever ah ah ah,
Agora juntam-se cacos em versos e se faz um poema
Não reparado, desamparado tambem!
Não dá para fazer e acontecer nada
Com tantos gatos em cacos…
Um ser móvel com inertes não brincam!
A gata pula e salta e agarra os cacos
Pode ferir e mesmo se magoar.
Então solta cacos e foge para barrancos
Depravada ou mesmo apavorada,
Saltita os socalcos toda catita
Mas volta e olha para trás, orgulhosa
Até esboça a danca de fandango
Em jeito de que nada se perdeu.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Solidão I


Você, minha amada, está aqui tão só!!!

E eu vim, você não me viu?

Estamos todos aqui, ouviu?

 

Então, não nos diz nada?

Nem nos abraça com afago de amada?

E o afeto para as nossas cabeças de filhos?

 

Você não sente nossos passos aproximando

E não vê as nossas pisadas chafurdando,

Nem ouve as pegadas trôpegas

E sonoras marchas de batidas desiguais

Que a idade não perdoou?

 

Sabe, cada dia que passo além

Olho por aqui e vejo-a assim,

Sempre parada e igual,

Assim… inerte…

E dói-me cada capilar do meu corpo

Sobre o qual crescem comprimidas penas

E o meu coração sofre por rasgos e faíscas

 

Mas reparo em você:

Já não tem aqueles lindos olhos

Vidrados por fora e limpos por dentro!

 

E já não me pode ouvir

Porque multiplicaram folhas das suas orelhas

E já são muitas e moucas de tímpanos furados!

 

Já não aperta as nossas mãos, nem nos abraça

Porque os nervos dos seus braços perderam força

Que o tempo levou sem nos consultar.

 

Seus pés firmes deformaram-se

Mas sustentam seu corpo dorido

E a sua voz rouca deixou gemer e gritar

Já que ninguém quis ouvir nem acudir.

 

 

 

Amalia Faustino  6 de fevereiro de 2014

Solidan na kutelu a kuriji

a corrigir


Solidan tropesadu

N staba ta passa la variante
n djobe pa li N odja-u bo só
Na bu kutelu ki bu kre manti
Si kre bu dexadu sen paletó

dja bu kre fika na meiu di matu
Si kre es destapa-u bus ratadju
Si kre ladera solta se katxorinhu
Pa sorbi terra pa fulia bentu
Pa tonba penedus di burrinhu


Pa bu fika na brasu'l farfadju
Pa bu podi manti forti bu kati kati 
Pa nós nu ka ben pati pati

bentu!



Bus odjus kran ka sta spia pa mi

Nem bus obidus k’ obi nha voz!

Bu boka amavel ka miasa un beju

Nen bu abrasu bu ka ferese
Bu perna banbu ka da num pasu!



Inda bo bu ka bem brasa-nu

Des modi li bu ka resebe-nu,

Si kadjar dja bu graba di nós

Nton mi N ten ki volta pa trás



Mas oxi n ka sta li mi só

Abri bus odjus bu odja pa nós

Obi kuzé ki no bem fla-bu

Ma dja n bem fika ku bó.



Bus fidjus d’ onti ku ontonti

Bus subrinhus, ku bus fidjadu

Txteu di bu kretxeu sta li na bó

Nu traze-u un brasu di afetu!



Amália Faustino Mendes, 7 de fevereiro de 2014