sábado, 31 de outubro de 2015

em contrução


A minha tristeza profunda cresce em cave
A caminho do vale depressivo que aniquila
Fica aberto para o teu corpo e espírito
Que as  as tuas mãos construíram.

Guarda as tuas palavras como lanças dilacerantes,
Os teus gestos afiados como punhais
Embevecidos em ódios coléricos
Que da tua boca soltam p’ra mim cortantes!



Ó criatura das trevas
Escurecedor da minha mente,
Desde o seculo passado
Tolheu o meu sorriso, promovendo a minha desolação
Sem cessar e sem tréguas.


Zé ninguém



Zé ninguém

Hoje comecei o dia desassossegada,
O meu espírito atordoado por nada
Que eu possa explicar a alguém
Que não sejas tu, meu Zé ninguém!

Só tu tens competência e ciência
E saber construído de experiência
Para compreender minha insuficiência
Que precisas superar com inteligência.

Só tu sabes o que vale a turbulência
Que a tua presença refeita de ausência
Imprimiu à minha vida feita de inércia,
Que o teu império marcou em essência!

E tu só precisavas ter vontade e persistência,
Despoletar com pouco mais de paciência,
Adotar uma linguagem eivada de evidência
Proficiência amistosa, sentimentos e sapiência.

De contrário, meu desassossego eventual
Deixará de ser um mal-estar pontual
Que apenas perdure neste tempo actual
Para formar uma situação factual.
                                             
Desde sempre alimento a esperança
De um dia encontrar em ti o ser humano
Que me ampare e me recolha, sem dano
Para um coração fofo, sem punhal, sem lança!

Um ser humano do calibre dum abano,
Capaz de amainar meu calor abrasador,
Que me abrace docemente e me envolva
Fazendo frescura disseminar em meu corpo!

Procurei por um corpo com espírito santo,
Semelhante ao que Deus produziu
Que se une a mim por bem querer e amor
E sente saudades de mim na ausência .

Queria que fosses alguém, meu sol da manhã
Que olha para mim sorridente, sem manha,
Sem confusão da treva carrancuda da noite
Que ofusca quaisquer tardes de lestada.

Não insista em promover uma profusão perversa
De alguém empenhado na construção  depressiva
Escavando em mim, como picareta num sólido
Um abrupto desfiladeiro que nenhum remédio sara.

Tenta ser alguém, o meu sol da manhã
Que olha para mim sorridente, sem manha,
Que deixa de ser a treva carrancuda da noite
Com fumaça exposta nas tardes de lestada.



gloria

  E                          B7  
Glória, glória, glória, Aleluia! 

                            E  
Glória, glória, glória, Aleluia! 
  
E7                        A              
Glória, glória, glória a Deus nos altos Céus.  
       E       B7     E  
Paz na terra a todos nós!   
     
   E                      B7 
1. Deus e Pai nós vos louvamos: (Glória a Deus!)  
                E  
Adoramos, bendizemos. (Glória a Deus!)   
E7                     A  
Damos glória ao vosso nome: (Glória a Deus!)  
       E     B7    E  
Vossos dons agradecemos.   

    E                 B7  
2. Senhor nosso Jesus Cristo: (Glória a Deus!)  
             E  
Unigênito do Pai, (Glória a Deus!)  
E7                   A  
Vós de Deus Cordeiro Santo, (Glória a Deus!)  
       E      B7    E  
nossas culpas perdoai.   

   E                       B7  
3. Vós que estais junto do Pai, (Glória a Deus!)  
                  E  
como nosso intercessor. (Glória a Deus!)  
E7             A  
Acolhei nossos pedidos, (Glória a Deus!)  
     E     B7     E  
atendei nosso clamor.  
   
   E                  B7  
4. Vós somente sois o Santo, (Glória a Deus!)  
              E  
o Altíssimo Senhor. (Glória a Deus!)  
E7              A  
Com o Espírito Divino, (Glória a Deus!)  
        E       B7      E  
de Deus Pai no resplendor.  

  
B7
trocar som
foto
E7
trocar som
foto
A