segunda-feira, 7 de novembro de 2016

UM VIRTUAL POETA

Um virtual poeta, se existe na realidade
Manifesta-se no labirinto da invisibilidade!
Vem, então, para este espaço bom,
Insiste em ficar neste meio maneirista
Repleto de gente inteligente, com dom;
Toma aqui o João como especialista,
Urdidor de acrósticos e refletidos versos,
Acolhe composições apreciadas nos primórdios…
Leva a literatura às belas artes e à pista.
Pode escrever aqui teus versos ou prosas,
Orquestrar amores, demolir desamores
Errando criticas para destruir ou construir
Troca de sensações más por bons sentimentos,
Atos reflexos descritos por momentos!
Amália Faustino
31 Outubro 2016

sábado, 5 de novembro de 2016

sunha kordadu

Sunha kordadu

Fladu ma sunha e mintira,
Ma tem mintira ki é sonhu;
Sim! Nen tudu ki ta fladu
E sonhu ki sunhadu;

Mas ta fladu ma sunhadu;
Mintira di verdadi ki kontadu
Sem kontisi um sonhu na sonu
So pamodi dizejadu sunha'l kordadu.

De dia, oras ki n ta kotadu
Modi ki N sunhadu ku el
Ami n ta obi, kuriosa
Pamodi gana obi Kel sonhu,
Seja mintira ou verdadi;

N ta kre obi-l pa n sunha,
Kordadu ou na sonu
Ku kuza ki fladu ma sunhadu ku mi:
Kuazi senpri ta fladu m’é sonhu di amor
O ma mi e amor di un sonhu!

Si kre sonhu di mintira
N kre obi-l, pa n xinti
Kel sensasan sábi dentu’l mi
Ki mi propi n ta kre sunha-l.

Ami propi dja N kre
Ki mintira bira diseju di tem mi,
Ki sunha ku mi bira un verdadi,
ki ta insisti sima agu ki ta bati na pedra dura ti ki fura!

N kre sin, ki N fladu amor
Mesmu ki for amor di mintirinha:
Un seta podi atinji korasan di nos dos!

Un sonhu di amor rakontadu
Forti sábi si ta rivivedu
Na un amor di sertu mé.

Amália Faustino, 2016, 4 di novembru

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

O bicho e o vício

O bicho e o vício

Sempre que passo por algum sítio,
Daqui ou doutra parte do mundo,
Observo e registo espaço imundo, 
Mas nem sempre vejo o mesmo vício:

Passei perto duma lixeira e vi um bicho
E o bicho revirava contentores de lixo
À sua volta, outros animais a pastar;
Ele retirava restos úteis, sem protestar.

O bicho não competia, mas escolhia,
E o que retirava da lixeira, curtia e colhia
Saco, mais saco, restos de comida e bebida
Transladados para lixeira desconhecida.

Um bicho, diferente de outro qualquer,
Entre os animais esse bicho da cidade,
Vê o lixo ganhar serventia ante quem quer
E quem necessita vê em tudo a utilidade.

Mas que bicho é esse? parece pensante!
Escolhe o que precisa entre inúteis que encontra
Ou o acha na sujeira, fora de qualquer montra…
Este bicho existe nesta terra, a montante, a jusante.

Homem, mulher e criança, animais à solta;
Razão sem ração, raça sem caça, tudo em volta,
Repetindo a situação e o comando de vício;
E eu sei que outra escolha é morte ou auspício.


 4 de Novembro