sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Nós iões da paixão

Nós e iões da paixão
Estava no silêncio dum viçoso milheiral
A erguer-se da queda dum vendaval
Que já uivava distante do seu beiral,
Escutei assobio agradável dum pardal.
Em meu redor, pestanejei os olhos
Tentava vê-lo, piscando sobrolhos
A fintar o sol das quatro, em pedregulhos,
Sem deslocar o pé, evitando abrolhos.
Pardal nenhum lançou outra chilreada,
Mas assobio de homem, numa casa desabitada
Ecoou a melodia de “ami dja n kria ser poeta”
Depois ele brotou em sua feição musculada.
Dirigindo-se a mim, verbalizando piropos,
Prestei atenção de que não dizia trapos
E nessa  voz trémula de engolidos sapos,
Parecia falar de amor destes campos!
Alertou-me pelo abraço dos feijões
Ao que o milho não fugia, dando esticões,
Nem as cordeiras secas caíram de zimbrões
Que mantiveram mansos os seus esporões.
Perante seus exemplos de animais em ações,
Fui vendo moscas, aos pares, imitando aviões,
Gafanhotos a dois, brincando a foguetões
Tudo sem falas audíveis  ou acesas discussões.
Porque nós, os homens e mulheres, trememos
Sem muita razão, quando nos apaixonarmos?
A naturalidade dos animais não apropriamos
E fixamo-nos na superioridade que embarcamos;
Ao sentirmos muita tensão é que obstamos
O raciocínio, escasseando a lógica que temos
Sem dar braço a torcer que nos enganamos
Na escolha que (não) fazemos e afundamos.
Amália Faustino Mendes, 26 de Outubro de 2012

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

amar à moda de 2012


Amar à moda de 2012 

AMOR deste século vem-se inovando de conceito,
Mudando sua essência sem paciência com o preceito,
Armadilhando-se no sexo, abundado na exiguidade afetiva,
Relações sem carinho, congelando-se em condição aflitiva!
 
Às vezes, o ano passa, arrastando novos paradigmas de amar!
 
Mas, mais se pulula no imediatismo libidinoso, que um amar
Orquestrado de sentimentos sinceros, de querer estimar,
Dar amparo e companheirismo, conferindo sentido à vida
Ausente de pressão angustiante e afronta promovida.
 
Deixem-me ficar o amor de 2011 se 2012 não acrescenta
Estes ingredientes de amor, carinho e amizade que basta:
 
2 dezenas de abraços envolventes, durante o dia solar;
0 situações aflitivas e zero afrontas por ciúmes no lar;
1 beijão carinhoso e desejado no abraço envolvente;
2 reforços diários ao meu valor e razão de estar vivente!
 
Amália Faustino Mendes, 28 de Dezembro de 2011