quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Cardo Santo

Vi-te a distância de um fôlego,
E tua beleza encantou meu ego
Despertando-me a tentação
De apreciar tua combustão.

À moda de um cabo-verdiano,
Olhei com olhos da mão,
Segurando-te, a verificar teu tino,
Pressenti tremor de antemão.

Então algo mudou em mim
E decidi examinar se és jasmim
Ou rosa para o meu jardim
Ou cardo santo do meu jardim.

O exame de pouca duração
Ergueu espinhos em função
E por tua tentação em relevo
Meu cérebro sentiu enlevo.

Não pude negar-te um beijão
Numa perfeita mescla sem vão
Com amor que neutraliza espinhos
Em suaves dores, com lanhos.


Amália Faustino


Nada contra você

Nada contra você
Não tenho nada contra você
Nem nunca estive contra você
E não sou mesmo contra você
Porque não vivo contra você.

Sei que algum mal está com você
O mal que entrou na mente de você
Um mal que alojou dentro de você
E vive esquivando-se no labirinto de você…

Esse mal insiste em afundar você
Num desfiladeiro que absorve você
E o coloca contra todos e contra você,
Endurecendo-o como uma pedra-você.

Quando eu tento fazer-lhe ver esse você
Em que você virou, eu sou picareta em você
Invisível mas sentida como marteladas em você
Que se anestesia e persiste em manter VOCÊ.

Apesar de duro, eu não desisto de tentar você
A fazer um profundo exame de consciência
Para reconhecer que esse mal artificial em você
Pode inexistir em essência se você tem ciência.


Amália Faustino Mendes, 31 de Dezembro de 2015 

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Desabrochar

Desabrochar

Não te desnudes sem método,
Ostentando tuas partes mais íntimas
Que Deus espalhou pelo teu corpo todo
Para usares como surpresas de estimas.
 
Demonstra, aos poucos, espaços de sedução,
Fascínios do teu corpo, tua abnegação,
Tentando manter o enigma da atração
De quem merece entrar no teu coração.

Cuida para não te divulgares a alguém
Que te parece vulgar no primeiro contacto…
Não te deixes dominar o pulso por ninguém,
Contendo em ti o teu íman intacto.
 
Espera e insiste em certificar sentimento
De reciprocidade em algum momento,
Com enlevos e fascínios a todo o tempo
Sublimidade para surpreender no campo.

Se sobre ti queres controlo algum
Não conectes tua vida a qualquer um,
Sê previdente com a tua inocência
Vive o teu desabrochar com prudência.
 
Não te despojes com qualquer um;
Afasta de quem envenena a tua essência
Para destruir a tua decência
Para te deixar sem valor algum.
 

Amália Faustino Mendes, 30 de Dezembro de 2015

imagens do PREMIO NOSSIDE 27 NOV 2015