quinta-feira, 6 de junho de 2013

Pilão Cão



Pilão-Cão
Teu corpo de basalto conseguiu entoar
Lindas músicas, envolvendo teu nome,
Pilonkan, que hoje se ouve a soar,
 Ah pilokan kan, ah gente de renome…

Gente que canta mulheres e meninos,
Embrulhando cenas e argumentos finos
Com palavras que dizem sem desprezar
Nem minimizar gente que vive a rezar.

E erguem fios de teus cabelos, puxados pelo ar,
Pintados pela névoa alva da Serra Malagueta
O filtro retentor da frieza que franze tua testa
Em jeito de uma fictícia raiva que te atesta.

Teus pés ficaram plantados no mar
Constantemente lavados pela água de sal
Acariciados até os olhos de pés, para acalmar
Teus joelhos dobrados em zê no Portal.

Articulando com Bacio, tuas pernas e coxas,
Tua barriga e costas permanecem fixas,
Recolhidas até chã de Barros, parindo filhos
Que se aninham nos teus férteis folhos.

Filhos carinhosos agarram-se ao teu tronco
Aninham-se a gozar o calor dos teus abraços
Escondidos na capa do teu veste de barranco
Rochas, cutelos e ladeiras - únicos embaraços

Teus olhos vêem um mundo finito
Tolhido pelas ladeiras dos horizontes
Preso em vales, mar e montes,
Soltando a esperança no céu infinito.

Amália Faustino, 15 de Setembro de 2012

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Penedus di amor



 


Penedus di amor

Faze-m xinti ma bu ta lembra di mi ku kurason.
Mostra-m ma bo e kapás di po-m atenson
Di un algén di ser ki ka alvu a abater!

N meste pa bu dam bu korason, sem atropelu
Pa N transforma-u el nun paraízu
Y la n ta konstrui-bu um kastelu
Ku penedus di amor,
Ku simentu di felicidadi,
Transportadu na carinhu di eletricidadi
Ki ta sende alegria na tristeza, pa torra dor!

Dexa-m mui nha dor na bu parti di dentu, sem avizu;
Dexa-m susui sisma na bu parti intokável;
Dexa so nha mo na bu rede di eletrisidadi
Dexa-m segura bu interruptor deskaskável
Dexa-m aguenta kel xoki di vontadi
Di tem bó, di sta ku bo,
Y di mora na bo, sen abuzu!

Amália Faustino
(4 de junho de 2013)

terça-feira, 4 de junho de 2013

Sou criança





Sou uma singela criança em botão de flor!
Tento desabrochar, na fé e esperança,
Ensejos paternos de um mundo melhor;
Paraíso p’ra gente boa que não ameaça,
Humanos que emergem e rugem sem dor,
Enquanto apagam agruras da mesma raça,
Nascida já com proteção dum Guardador!
Yes, só agora posso responder com graça!

1 de Junho de 2013
(In sou Criança, Amália Faustino)