quarta-feira, 25 de outubro de 2017

BOM CAMINHO

BOM CAMINHO
Eu não consigo deixar esta seca
De rondar o ambiente que te cerca,
De espreitar o teu beco para te rever,
Já que não se esvai a vontade de te ver.

Não sei com que cola estás fixa nesta mente
Talvez seja a cola "crazy" por estar demente
A ver-te na escuridão da breu a passar
E meu coração acelera-me o cérebro a assar.

Queria te obedecer, estava a tentar
Já que pediste p’ra não te tentar;
Mas eu não consigo deter o vento


Que me empurra para ti, no momento.

Se a Esperança me diz que fazes fita
Para enfeitares a roupagem da paixão
Que, um dia, vais exibir toda catita
Serás unida a mim, mesmo de coração.

Ah! Deixo-me levar pela tua chantagem!
E vou idolatrar tua sombra e tua imagem
Confesso, querendo roçar a minha na tua pele,
Consoante o impulso que nos impele.

De bom grado, peço e espero que aceites
A minha amizade, amor e deleites;
Prometo extenso tempo de carinho
E permaneço contigo no bom caminho.

Amália Faustino
21/10/2017

ROXIDÃO DO OUTONO

ROXIDÃO DO OUTONO
Estando em Boston, Paris, lisboa ou Burela
Tento sentir o Outono a desgrudar o verão
E devolvê-lo à procedência, em Cabo Verde
A esse meu país com íman que atrai e fixa.

Se meu espírito vagueia pela cidade de Paris,
Rastejando por Nice, percorrendo até Burela
Toca Braga, Lisboa, acenando aeroporto de Portela;
E a réstia de sol de Outono, arco na água de chafariz!

Em muitas outras terras o TUDO é demais:
Muito Sol que pode abrir qualquer tipo de fogo
Sobre gente que acolhe água de desastre,
Sem tudo, no meio da abundância e desafogo.

Por minhas paragens, a chuva vagabunda não abunda
Brumas e lestadas chicoteiam as águas merecidas,
Em gotas soltam e caem, miseráveis, nas terras ávidas
Revoltadas e bravas; à distância, dilúvio no Atlântico.

Agora, estar nos States ou Europa, dá na mesma!
De longe, contemplo o Outono a pintar de aguarela,
Depenando árvores caducas, decorando o ambiente

Com plantas esqueléticas e folhas em agonia multicolor;

E vejo deportar passarinhos de penas pesadas
A fugir do frio, para caracas quentes e distantes,
Ao sentirem o Outono, embrulhando Sol em água.
E como tudo isso é alegria de experiência ausente!
Vejo uvas e castanhas roxas, devoradas com paixão,
Por gente carrancuda, marinada no vinho novo
- Bebida de uvas espremidas com pés descalços,
Fartura na vinha desgalhada em vindima.

Ah Outono! Desconhecido no meu país de claridade
Onde o Sol, destemido, campeia sobre mar e ilhas,
Enrolando ondas, soprando brisas, aspergindo sal…
E a bruma é peneira da força do ozono a filtrar raios.

Se para lá, pássaros sem bilhetes, partiram em voo,
Carrapatindo em carracas de calor e mares de atração;
Aqui deixam a melancolia esvaziar a melodia dos campos,
Que exuberam a roxidão que só cativa a triste paixão.

Amália Faustino
19 Outubro de 2017

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Fronta go

Bu txuki na fundo di nha memória
Pa gretas ki bu abri na pórus di nha paxan …
N ngispa nha rizistênsia pa bu ka atxa rezan
Más bu kirkitxa bu entra, bu kanta vitória;

Komu bu forsa é más konsentradu ki di méu,
Bu sopra di méu, bu fúlia-m el mutu lonji 
Ki mi N kai konkonhós na bu petu di brêu,
N skalâbia, N busu, karni piza, osu motxoki

Ago, korasan sta dretu ku bó dentu d'el;
Y agora? Alebu li ta ludji-ludji dentu´l mi
N bira bó, dja nu konfundi na odju d'un kalker
Ka ta sabedu si é mi o nha korpu ku bu Sprítu  ta langi-langi

Ami ki fronta go, pamodi, na nroska, bu bussu,
Bu ranha, algun kau satadja ki dexa braku...
Undi algen sta tenta entra; N ka sâbi si é kre ntxotxa
Ou si e bo ki sta dentu’l mi k’e sta na buska.

Mo n ta fazi gó, si algen ki ta odia-m sta disputa-u?
Si da-l na kabesa p'e fazi elfante riba'l kobra
E podi da-m kaketa na txon p’e kalka-m ti N prutxi
P’e faze-u saí di mi, sen nporta modi N ta fika.

Tanbé, ka pa stranha kuzas galanti di li pa dianti:
Pamodi ta ratxadu limária sem fazi kruz na txon 
Pa algen e kel mé, si tenta skapa ku kuzas di sel 
E ta fastadu di tudu ki kre lebadu, p'e fika fuliadu.

Agosto 2017



terça-feira, 8 de agosto de 2017

Pilonkan en kont

Pilonkan

Pilonkan, nha korasan, nha íman
Bó e nha tronku, nha ramu, nha raiz
Nha stera riba kankaran di kariz,
Nha koltxon, nha mo-di bodi ki bu ama-m!

Pilonkan, nha korasan, nha íman
Bu tem tia d’ aranha Ki ta puxa-m
Ku kasola di ilástiku bu ta stika-m suavi
Pa N bai, pa N bem, pa n dixi di navi.

Pilonkan, nha korasan, nha kavi
Bu mostra-m porta di bu alsapon
Sem skada, sem korda, sem xávi
N dixi n subi, sem lolu na águ ku sabon.

Kantu n staba riba bu kutelu ta kurti briza
Bu odja ta podu kaska banana na laxidu
Bu kalsan sapatu di nkrava kalker fuxidu
Bu fla-m pa n dixi sen medu di cai pa friza.


Entri mi ku bó, nha korasan y nha iman
Tem kola ki ta gruda-nu sima um beton
Ki ka ta dislapi pa xukalha pa kansa-m
Pamodi nos amizadi, nos amor ka ten mondon


Bus planta é delikadu
Bu copa, sombra k'e nha tetu
Bus fodjas, abanu di nha petu
Bus kutelu, ku sopru di frescura
Ku séu azul  ku sol di sekura
Penedus di urzela sima flor di kravu
Lumi’l sol pa ka kema na kutelu,

Bu tra-m di mar ta ba ta rema
Bu rasta-m ketu na areia ou na kalhau
Bu suste-m pa txeia ka rasta-m
Oras ki txuba txobi di nos séu.

Pilonkan, bu korasan, bu raiz
Ta txera senpri na nha nariz
Oras ki n ta fára bu kaminhu
Pa n txiga na bó sem tranka na spinhu

Pilonkan, bu korasan, nha origem
Bu kaminhu n ta sigui sem korta
Ku dizeju di faze fotu di imagen
Di un pasadu di sodadi ki fika na nha menti
Bu íman ta puxa-m pa serta ku porta

Pilonkan, bu korasan e nha bida
Bu poder ta orienta-m
Bu ta ivita-m poi pé na barranku
Bu ta libra-m di da testa na rotxa
Pa n ka mopi kabesa di pensante.

N kre volta pa nhas origen
Arkiteta planta di lokalizasan
Ku státua di tenpu ki ta vazan

Filizmenti senpri n obi ku bo
N ka dizorienta, inda

Pilonkan, nha korasan, nha raiz
Na nos tenpu di mininu
Nu brinka ku talu y ku kariz
Komu kabalu di Munonu
Nunka bu dexa-m kai, nen tonba
Pa n ka busu, pa n ka skalabia
Pamodi kura ta fikaba difícil
Sem remedi di farmácia
Undi moska ku se Kunfiadesa
Ta ronda txeu, txapu dja kai
ka ta dexa seka
Frida ki ofista


Undi ki bu tene verdura
Ki ta alimenta-m nha alma
Nton bo é sombra, pa mi
Nton bo é txon di nha biku
Nton bo é terra di nha mai
Ki ospra-m nhas irmons
Nha gentis tudu sta gazadjadu


Nton mi é bo, bo é mi

Sonhos da aurora

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

recibo Planta localizaçao Helder


Festa nho S Domingos

Prepara petu pa bu puxa subida
Pintxa kalsada di Djersalina
Ki sta prindadu na nhu S. Dimingo
Santu ki sta la brasu abertu pa da-u guarida!

Na 8 di Agostu, bu podi entra Pilonkan
Y, na kalker kaza bu podi da txupu 
bu xinta nun trupesa ô riba'l pedra txaskan
Mas bu ta fladu: txiga, txiga, ben kúme.

Mas tendu moxu, cadera ò sufa pa xinta
Si bu ka ten fita ta parse kumida pa dampa;
Bu ta volta más pizadu ku pansa xeio
Di kumida gorda ô ngispadu di fijon

Gentis di la ta longa mo pa tudu algen
Ta fla mantenha sábi, ku surrizu di alma
Si kre denti'l dianti sta kumpridu ô kaídu
Ta fikadu ku grandéza di resebi txeu  óspri.

Algen ta resebedu ku troxa ou sen troxa 
Ku kanastrinha barrotadu ô ku bolsa 
Ku kalker kuza ô mesmu ku mon ta kai
Senpri ta tratadu dretu, sen distrinsu.

Y bó ki ta fla dipôs di sábi morti e ka nada
Bu podi lofi masa ku karni na pá, sima parse 
Si kre bu fika ki nen un balon di granada
Kel sábi ki bu xinti ningen ka ta kirse 

Bai tudu anu pa bu trena na anda na subida
Na txiga na algen y na sta ku el na se stilo
Na xinta pa diskansa, na nada pa freska
Na pára pa spera, na kume ku bebi na midida!

VNK ANTOLOGIA APRESENTADA EM 1 DE AGOSTO 2017 IMAGENS






terça-feira, 4 de julho de 2017



Um poeta lírico pode o amor fingir
E sempre pode estar alguém a enganar,
Cirandando palavras para deleitar
Quem assim prefere sem se afligir

O poeta bom e melhor em fingir,
Coloca o afeto num labirinto a andar
Com trombas de esperanças a driblar
Com motes de amor na boca a fugir.

Para quê colocar o amor a simular?
Para quê por uma estrela a cintilar,
Se depois ordena a nuvem interpolar
E a sombra perversa ao coração pilar?


Não seja burlão de alguém,com aurículas
E ventrículos impregnados de partículas
De males enferrujados por dióxidos de ódio
E sentimentos azotados em rachas de pódio

É preferível pateta lírico e romântico
Que preencha bem os vazios da vida,
O estatuto artificial encarcera e azeda
Humor e amor destas terras do Atlântico.













































































as suas pertences e manter
Num  mundo que resiste em libertar
Na certeza que não ama nem vai amar

Sabendo que espera
Evitando quem espera para retalhar

Sem que verdade estivesse em nada

E eu sei que verdade em nada que fosse
Esteve presente
sempre mentiu

Se alguem viveu amor do engano e truques

terça-feira, 28 de março de 2017

O mar da Cidade velha

Mar da cidade velha

Ó mar cinzento da velha cidade!
Parar à tua beira, com sagacidade,
Contemplar em êxtase o teu ir e vir incessante
É ver-te sem nenhum ritmo constante.

É ver-te ladeado de ovais calhaus
Talhando crânios de homens maus,
Que moldaram a história das origens
Da Cidade Velha para fazer vertigens.

Cidade Velha a par de sua idade
É velha na sua história e origem,
Madura de gente pura e sem ferrugem
Que as fortes ondas esculpiram com calhaus!

Penetrando o fundo das tuas águas
Retira-se de lá antepassadas mágoas,
Abscônditos olhos arrancados a garfo
Algum rosto esmagado ao crânio safo.

Olhando para cima, a amarga fuligem,
Recorda o refúgio, com vertigem,
E antepassados, cismando seu focinho,
Fintando o olho a tortura no pelourinho!

Do alto teor de sofrimento escapou gente
E o que agora resta da enlutada mente,
Dum postergado passado profundo e dorido
Hoje é um presente a exibir com alarido.


29 de Julho de 2011.